You are herePolímeros para Eletrônica: Ordem ou Desordem?

Polímeros para Eletrônica: Ordem ou Desordem?


By wescley - Posted on 10 abril 2012

Palestrante: 
Marília Junqueira Caldas
Data: 
Qua, 02/09/2009
Tipo: 
Convite à Física
Arquivo do vídeo: 
No video? Get the Windows Media Plugin

Desde o advento do transistor a eletrônica mudou o ritmo e o estilo de vida humana. A indústria de microeletrônica explora conceitos vindos da Física Quântica de elétrons em cristais, em materiais ditos convencionais onde a simetria e a ordem são fundamentais: metais, semicondutores cristalinos como o Silício, e outros. Mais recentemente, o foco dessa indústria é a forte miniaturização de componentes, que como se sabe levou à nanoeletrônica, e uma revisão de conceitos (confinamento eletrônico) bastante discutida. Já a eletrônica orgânica tem outras motivações, na tentativa de montar dispositivos de grandes àreas e baixo preço, por exemplo emissores ou conversores de luz. Para tal são exploradas características de materiais como polímeros e moléculas compostos principalmente de carbono e hidrogênio, ou seja, plásticos, leves e flexíveis, mas especiais , com caráter metálico ou semicondutor. Nesse caso, vemos uma forte competição entre os efeitos positivos e negativos da desordem morfológica intrínseca aos materiais plásticos, de que trataremos neste bate-papo.